Amortização de Financiamento: Como Utilizá-lo a Seu Favor

Amortização de Financiamento como pagar seu imóvel de maneira organizada

Descubra como a amortização de financiamento pode ser sua aliada na conquista da estabilidade financeira. Utilize estratégias e dicas para utilizar o recurso.

Amortização de Financiamento: Como Utilizá-lo a Seu Favor
Amortização de Financiamento: Como Utilizá-lo a Seu Favor

O que é Amortização de Financiamento?

Amortização de financiamento é o processo pelo qual o devedor realiza pagamentos para reduzir o saldo devedor de uma dívida.

Esses pagamentos podem ser feitos de forma parcial ou gradual, e contribuem para a diminuição do montante total devido.

Tipos de Amortização

Há diferentes tipos de amortização, como a tabela Price, o Sistema de Amortização Constante (SAC) e o Sistema de Amortização Misto (SAM).

Tipos de Amortização
Tipos de Amortização

Cada um desses sistemas apresenta características específicas e pode ser mais ou menos vantajoso para o consumidor, dependendo das condições do financiamento.

Tabela Price

A tabela Price é um sistema de amortização no qual as prestações são constantes.

Nesse sistema, os juros são calculados sobre o saldo devedor, resultando em prestações iniciais mais altas, porém com decréscimo progressivo dos juros ao longo do tempo.

Sistema de Amortização Constante (SAC)

No SAC, as prestações são decrescentes e o valor da amortização é constante ao longo do tempo.

Isso significa que as parcelas iniciais são mais altas, mas diminuem progressivamente, tornando-se mais leves para o consumidor conforme a dívida é quitada.

Sistema de Amortização Misto (SAM)

O SAM é uma combinação dos sistemas Price e SAC. Nesse método, as prestações são recalculadas periodicamente, levando em consideração tanto a amortização constante quanto a variável.

Vantagens da Amortização de Financiamento

A amortização de financiamento traz diversos benefícios para o devedor, tais como:

  • Redução do valor total dos juros pagos;
  • Menor tempo para a quitação da dívida;
  • Maior controle financeiro, possibilitando a adequação do orçamento às prestações;
  • Possibilidade de utilizar recursos extras, como o FGTS, para abater parte do saldo devedor.

Como Realizar a Amortização de Financiamento

Para realizar a amortização de financiamento, o devedor deve seguir alguns passos:

Verificar as condições e regras de amortização previstas no contrato firmado com a instituição financeira;

Entrar em contato com a instituição financeira responsável pelo financiamento e solicitar informações sobre o processo de amortização;

Providenciar a documentação necessária, que pode incluir comprovantes de renda e extratos bancários;

Efetuar o pagamento do valor estipulado para a amortização, conforme as orientações da instituição financeira.

A amortização de financiamento se torna uma importante ferramenta de planejamento financeiro, ajudando o devedor a manter o controle de suas finanças e a quitar sua dívida de maneira mais eficiente. 

Ao analisar as opções disponíveis e aplicar as estratégias adequadas, é possível alcançar maior estabilidade financeira e garantir a realização de objetivos futuros.

Tudo o que você precisa saber sobre Financiamento Imobiliário

  1. Sistema Financeiro de Habitação: Financiamento regulamentado pelo governo federal que atua em imóveis de até R$1,5 milhões, essa condição só se aplica à pessoa física e  sofre ajuste de juros de 12% a.a. Nesse tipo de financiamento o banco libera o valor equivalente a 80% do imóvel desejado e as parcelas não podem ultrapassar 30% da renda mensal de quem está solicitando o crédito. Para mais informações, busque contato com o seu  gerente do banco.
  2. Sistema Financeiro Imobiliário: Essa linha de crédito pode ser solicitada tanto por pessoas físicas quanto jurídicas, e quem define as condições é o próprio agente financeiro. Essa modalidade não impõe teto de preço do bem (como no caso de um ISH), não tem compromisso com renda e não tem limite de juros. O crédito pode alcançar 80 ou 90% do valor do imóvel.
  3. Minha casa, minha vida: MCMV começou a ser aplicada em 2009 e tem como objetivo facilitar o direito à moradia para a população com renda de até R$8mil. Está modalidade possui diversas ramificações e mais informações podem ser encontrar no site do governo federal (Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)
  4. Financiamento direto com a Construtora: Este tipo de financiamento é o menos burocracia, porém, por não existir regulamento muitas vezes as condições tornam essa condição menos atrativas. Ainda sim, essa é a opção praticada quando falamos de um imóveis na planta, nesse caso é preciso financiar com a construtora até a hora da entrega das chaves, que passa a ser decisão do cliente como segurá com o financiamento. 

 

Para conseguir um financiamento imobiliário é preciso ter 18 anos ou mais, comprovar renda suficiente para pagamento do imóvel e estar com o CPF válido. É importante checar se o CPF não está vinculado a órgãos de proteção de crédito, como  o Serasa, tudo é levado em conta quando alguém pede financiamento: conta de luz, de internet e de gás. Tudo é analisado para considerar a pessoa boa pagadora. 

  1. Taxa nominal: Esses são juros previamente acordados, sinalizados em todos os momentos da transação. Não haverá ajuste ao longo dos meses, mas pode haver alterações de ano para ano.

  2. Taxa real: Esta é a taxa de juros corrigida conforme a inflação do país.
  3. Taxa efetiva:  Real taxa de juros levando em conta a capitalização do bem em determinado período de tempo.

Segundo a tabela Price o valor máximo que pode ser financiado é de 80% a 90% do valor total do imovel. Porém essa porcentagem pode variar dependendo de algumas questões: da instituição financeira que irá realizar o financiamento, da sua qualidade como pagador.

Em caso de imóveis prontos depende de quanto o banco avalia o bem e quando você está pagando por ele. Em caso do banco avaliar o bem por mais caro do que você está comprando há uma possibilidade do banco financiar 100% do valor do imóvel e na situação oposta, você, como comprador, precisa integrar o valor que o banco não financiar. 

Dependendo da modalidade de financiamento que for aplicada, há um limite de no máximo 30% da renda que pode ser destinado a financiamento (SFH). Porém se o imóvel tiver um valor superior a R$1.5 milhões não há compromisso com porcentagem de renda (SFI).

Tudo depende de quantos anos você tem. Porém a idade máxima que você pode ter ao final do financiamento é de 80 anos e 6 meses.
Ou seja:

Se você tem 70 anos, você tem 10 anos e 6 meses para quitar o financiamento.
Se você tem 60 anos, você tem 20 anos e 6 meses para quitar o financiamento.

Acontece que se você quiser utilizar o limite máximo que são 420 meses, o financiamento só pode ser solicitado se o comprador tiver no máximo 45 anos e 6 meses.

É possível refinanciar um imóvel caso o mesmo tenha todas as documentações em ordem e que seja colocado como garantia do pagamento. Em um cenário de não cumprimento do pagamento o bem pode ser retirado da pessoa para restituição da dívida.

Caso você atrase o pagamento do meu financiamento existem alguns cenários possíveis, entre eles:

  1. Pagamento de multa com acréscimo de juros;
  2. Suas informações podem ser cadastradas em órgão de cobrança SERASA;
  3. A instituição financeira pode abrir um processo contra o devedor solicitando o pagamento da dívida.
  4. Caso a situação não seja resolvida, o banco pode colocar o imóvel em leilão.

Use o FGTS como facilitador para comprar seu Apê

O FGTS pode ser usado apenas em imóveis SFH:

  1. Podemos usar o valor para quitar um imovel financiado através da modalidade SFH, ou seja, quitar imovel que custam menos de R$1.5 milhões;
  2. Podemos usar o FGTS para pagar parte das parcelas do financiamento SFH;
  3. Usar o saldo do FGTS como entrada do financiamento do valor da compra ou construção do imóvel residencial.

Para usar o FGTS alguns critérios precisam ser levado em conta:

  1. Ter a somatório de três anos de contribuição;
  2. Não pode ter outro crédito ativo no Sistema Financeiro de Habitação;
  3. Não ter outro imovel construído ou em construção em área urbana;
  4. O imóvel tem que ser em área urbana;
  5. O bem precisa ter fim residencial.

Então sim, é possível usar o FGTS para liquidar ou amortizar o financiamento.

É possível usar o FGTS para pagar parte do valor das prestações. 

O que você precisa saber sobre o programa Minha Casa Minha Vida?

O programa Minha casa, Minha vida é uma iniciativa do governo federal, criado em 2009 e tem o objetivo de subsidiar e facilitar a compra de imóveis residenciais para famílias de baixa renda. Neste programa existem algumas categorias, classificadas por renda familiar e cada categoria tem um valor de incentivo. Saiba mais no site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

O Programa atende famílias com renda mensal de até R$ 8.000,00 em áreas urbanas e renda anual de até R$ 96.000,00 em áreas rurais. 

Dentro do programa, existem diferentes faixas, separadas por renda, que interferem no valor do subsídio recebido pelo governo. Saiba mais através do site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

Para participar do programa é preciso se cadastrar na prefeitura da sua cidade e aguardar o sorteio. Em seguida, alguém entrará em contato para que você possa escolher sua nova casa dentre os imóveis disponíveis. Saiba mais através do site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

 
 

Que tal compartilhar

Facebook
LinkedIn
WhatsApp