Liberdade: Uma Viagem pela Cultura Oriental em São Paulo

O bairro da Liberdade é um dos destinos mais emblemáticos de São Paulo, sendo o maior reduto da cultura oriental no Brasil. Este bairro é famoso por suas ruas decoradas com lanternas japonesas, arquitetura que remete ao Japão e pela presença de diversos mercadinhos e restaurantes orientais.

Liberdade: Uma Viagem pela Cultura Oriental em São Paulo
Liberdade: Uma Viagem pela Cultura Oriental em São Paulo

História e Imigração Japonesa

A história do bairro da Liberdade começa com a chegada dos imigrantes japoneses no início do século XX. Atualmente, o local mantém os costumes e tradições asiáticas, incluindo chineses e coreanos, em um mix cultural, gastronômico e arquitetônico.

A Imigração Japonesa no Brasil

A imigração japonesa no Brasil teve início no começo do século XX, com a chegada do navio Kasato Maru em 1908, trazendo os primeiros imigrantes japoneses. Ao longo do século, a imigração japonesa se intensificou, culminando na formação de comunidades como a do bairro da Liberdade em São Paulo.

Atrações do Bairro da Liberdade

O bairro da Liberdade possui diversas atrações que vão desde feiras, mercados, lojas até restaurantes, todos com itens e produtos típicos da cultura oriental.

Feira da Liberdade

A Feira da Liberdade é realizada aos finais de semana na Praça da Liberdade e oferece uma grande variedade de produtos e comidas típicas da cultura oriental. Além disso, a feira conta com apresentações artísticas e culturais, como shows de taiko (tambor japonês) e danças típicas.

Restaurantes e Gastronomia

Os restaurantes do bairro da Liberdade são famosos por oferecer uma experiência gastronômica autêntica e diversificada, com pratos da culinária japonesa, chinesa e coreana. Alguns dos restaurantes mais conhecidos incluem:

Restaurante Kidoairaku:

Com um ambiente acolhedor, este restaurante oferece pratos típicos da culinária japonesa como sushi, sashimi e tempurá.

Restaurante Chi-Fu:

Um dos mais tradicionais restaurantes chineses do bairro, o Chi-Fu é conhecido pela qualidade de seus pratos e pela simpatia no atendimento.

Restaurante Bibimbap:

Especializado na culinária coreana, o Bibimbap oferece pratos como o bulgogi e o kimchi, além do bibimbap que dá nome ao local.

Lojas de Produtos Orientais

No bairro da Liberdade, é possível encontrar uma grande variedade de lojas que oferecem produtos típicos da cultura oriental, como:

Marukai:

Uma das maiores lojas de produtos orientais do bairro, o Marukai oferece uma ampla gama de itens importados, desde alimentos até artigos de decoração e utilidades domésticas.

Livrarias Especializadas em Literatura Oriental

No bairro da Liberdade, é possível encontrar livrarias especializadas em literatura oriental, que são raras em São Paulo. Nessas livrarias, é possível encontrar livros, mangás, revistas e outras publicações importadas no idioma original. Algumas das livrarias mais conhecidas são:

Livraria Sol:

Inaugurada em 1949, a Livraria Sol foi criada para atender os imigrantes com conteúdo literário em japonês. É uma das mais antigas do bairro e uma referência em literatura oriental.

Supermercados e Empórios de Produtos Orientais

Hirota Food: Localizado na Praça da Liberdade, 180 e Rua Galvão Bueno, 278, o Hirota Food oferece uma grande variedade de produtos orientais, como alimentos e bebidas. A loja funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h, e aos domingos e feriados, das 10h às 18h. Além disso, o Hirota Food realiza vendas online pelo site e aplicativo.

Casa Mart:

A Casa Mart possui uma ampla variedade de alimentos orientais importados, com destaque para os produtos chineses. A loja oferece opções de compras para quem busca ingredientes típicos da culinária oriental.

Patrimônio Cultural da Liberdade

O bairro da Liberdade é uma verdadeira imersão na cultura oriental no coração de São Paulo. 

Com uma rica história de imigração japonesa, a região oferece uma variedade de atrações, como feiras, restaurantes, lojas de produtos orientais e eventos culturais. 

É um destino imperdível para quem deseja conhecer e apreciar a cultura asiática na maior cidade do Brasil.

Artigos Relacionados

Saiba mais sobre os artigos relacionados da Squatro:

Principais Páginas

Tudo o que você precisa saber sobre Financiamento Imobiliário

  1. Sistema Financeiro de Habitação: Financiamento regulamentado pelo governo federal que atua em imóveis de até R$1,5 milhões, essa condição só se aplica à pessoa física e  sofre ajuste de juros de 12% a.a. Nesse tipo de financiamento o banco libera o valor equivalente a 80% do imóvel desejado e as parcelas não podem ultrapassar 30% da renda mensal de quem está solicitando o crédito. Para mais informações, busque contato com o seu  gerente do banco.
  2. Sistema Financeiro Imobiliário: Essa linha de crédito pode ser solicitada tanto por pessoas físicas quanto jurídicas, e quem define as condições é o próprio agente financeiro. Essa modalidade não impõe teto de preço do bem (como no caso de um ISH), não tem compromisso com renda e não tem limite de juros. O crédito pode alcançar 80 ou 90% do valor do imóvel.
  3. Minha casa, minha vida: MCMV começou a ser aplicada em 2009 e tem como objetivo facilitar o direito à moradia para a população com renda de até R$8mil. Está modalidade possui diversas ramificações e mais informações podem ser encontrar no site do governo federal (Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)
  4. Financiamento direto com a Construtora: Este tipo de financiamento é o menos burocracia, porém, por não existir regulamento muitas vezes as condições tornam essa condição menos atrativas. Ainda sim, essa é a opção praticada quando falamos de um imóveis na planta, nesse caso é preciso financiar com a construtora até a hora da entrega das chaves, que passa a ser decisão do cliente como segurá com o financiamento. 

 

Para conseguir um financiamento imobiliário é preciso ter 18 anos ou mais, comprovar renda suficiente para pagamento do imóvel e estar com o CPF válido. É importante checar se o CPF não está vinculado a órgãos de proteção de crédito, como  o Serasa, tudo é levado em conta quando alguém pede financiamento: conta de luz, de internet e de gás. Tudo é analisado para considerar a pessoa boa pagadora. 

  1. Taxa nominal: Esses são juros previamente acordados, sinalizados em todos os momentos da transação. Não haverá ajuste ao longo dos meses, mas pode haver alterações de ano para ano.

  2. Taxa real: Esta é a taxa de juros corrigida conforme a inflação do país.
  3. Taxa efetiva:  Real taxa de juros levando em conta a capitalização do bem em determinado período de tempo.

Segundo a tabela Price o valor máximo que pode ser financiado é de 80% a 90% do valor total do imovel. Porém essa porcentagem pode variar dependendo de algumas questões: da instituição financeira que irá realizar o financiamento, da sua qualidade como pagador.

Em caso de imóveis prontos depende de quanto o banco avalia o bem e quando você está pagando por ele. Em caso do banco avaliar o bem por mais caro do que você está comprando há uma possibilidade do banco financiar 100% do valor do imóvel e na situação oposta, você, como comprador, precisa integrar o valor que o banco não financiar. 

Dependendo da modalidade de financiamento que for aplicada, há um limite de no máximo 30% da renda que pode ser destinado a financiamento (SFH). Porém se o imóvel tiver um valor superior a R$1.5 milhões não há compromisso com porcentagem de renda (SFI).

Tudo depende de quantos anos você tem. Porém a idade máxima que você pode ter ao final do financiamento é de 80 anos e 6 meses.
Ou seja:

Se você tem 70 anos, você tem 10 anos e 6 meses para quitar o financiamento.
Se você tem 60 anos, você tem 20 anos e 6 meses para quitar o financiamento.

Acontece que se você quiser utilizar o limite máximo que são 420 meses, o financiamento só pode ser solicitado se o comprador tiver no máximo 45 anos e 6 meses.

É possível refinanciar um imóvel caso o mesmo tenha todas as documentações em ordem e que seja colocado como garantia do pagamento. Em um cenário de não cumprimento do pagamento o bem pode ser retirado da pessoa para restituição da dívida.

Caso você atrase o pagamento do meu financiamento existem alguns cenários possíveis, entre eles:

  1. Pagamento de multa com acréscimo de juros;
  2. Suas informações podem ser cadastradas em órgão de cobrança SERASA;
  3. A instituição financeira pode abrir um processo contra o devedor solicitando o pagamento da dívida.
  4. Caso a situação não seja resolvida, o banco pode colocar o imóvel em leilão.

Use o FGTS como facilitador para comprar seu Apê

O FGTS pode ser usado apenas em imóveis SFH:

  1. Podemos usar o valor para quitar um imovel financiado através da modalidade SFH, ou seja, quitar imovel que custam menos de R$1.5 milhões;
  2. Podemos usar o FGTS para pagar parte das parcelas do financiamento SFH;
  3. Usar o saldo do FGTS como entrada do financiamento do valor da compra ou construção do imóvel residencial.

Para usar o FGTS alguns critérios precisam ser levado em conta:

  1. Ter a somatório de três anos de contribuição;
  2. Não pode ter outro crédito ativo no Sistema Financeiro de Habitação;
  3. Não ter outro imovel construído ou em construção em área urbana;
  4. O imóvel tem que ser em área urbana;
  5. O bem precisa ter fim residencial.

Então sim, é possível usar o FGTS para liquidar ou amortizar o financiamento.

É possível usar o FGTS para pagar parte do valor das prestações. 

O que você precisa saber sobre o programa Minha Casa Minha Vida?

O programa Minha casa, Minha vida é uma iniciativa do governo federal, criado em 2009 e tem o objetivo de subsidiar e facilitar a compra de imóveis residenciais para famílias de baixa renda. Neste programa existem algumas categorias, classificadas por renda familiar e cada categoria tem um valor de incentivo. Saiba mais no site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

O Programa atende famílias com renda mensal de até R$ 8.000,00 em áreas urbanas e renda anual de até R$ 96.000,00 em áreas rurais. 

Dentro do programa, existem diferentes faixas, separadas por renda, que interferem no valor do subsídio recebido pelo governo. Saiba mais através do site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

Para participar do programa é preciso se cadastrar na prefeitura da sua cidade e aguardar o sorteio. Em seguida, alguém entrará em contato para que você possa escolher sua nova casa dentre os imóveis disponíveis. Saiba mais através do site Conheça o programa Minha Casa, Minha Vida — Ministério das Cidades (www.gov.br)

 

tags

Que tal compartilhar

Facebook
LinkedIn
WhatsApp